R$ 10.136.000,00
Premiação Distribuída
399206
Fornecedores Incluídos
249218
Consumidores Cadastrados
85414
Bilhetes Premiados
48409132
Bilhetes Gerados

29/04/2016 | Programação especial comemorou os 145 anos do IEEP

Da Redação
Agência Pará de Notícias
Atualizado em 14/04/2016

Nesta quarta-feira,13, o Instituto de Educação do Estado do Pará (IEEP) comemorou 145 anos. A programação especial contou com palestras, apresentações de danças regionais, músicas, mostra de poesia e apresentações de trabalhos, que contaram muito sobre a grande história da instituição de ensino e a sua importância para a educação do Estado.

O IEEP é a segunda escola mais antiga do Pará e tem uma participação muito importante na vida de muitos paraenses. Professores, políticos, médicos, advogados e profissionais de diversas outras áreas já passaram pela escola e hoje estão contribuindo para o desenvolvimento do estado.

Hoje a escola possui aproximadamente 900 estudantes, incluindo os alunos do Ensino Médio e da Educação Profissional das modalidades Subsequente, como os estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Esse é o caso de Eduardo Santos, aluno do curso Técnico de Biblioteca Escolar, que diz que está muito satisfeito com a formação que está recebendo. “É uma escola que consegue suprir as nossas necessidades, tem uma ótima estrutura e professores que são companheiros. A escola é a nossa companheira, nos apoia em tudo”.

O IEEP foi a primeira escola do Pará a ofertar formação na “Escola Normal” no século XIX, antigo Magistério, quando muitas pessoas vinham do interior do estado para Belém com o objetivo de estudar e se formar professor ou professora. Nesse período, a maioria das pessoas que procuravam formação na área eram mulheres.

Assim, com a intenção de mostrar para os alunos e professores um pouco dessa história da educação paraense e a participação do IEEP na formação dos professores, a escola e o Centro de Formação da Educação Básica do Estado do Pará (Cefor) realizaram um seminário com o tema “Feminização do Magistério no século XIX no Pará a partir da Escola Normal : mulheres e cotidiano num espaço de formação de professores”.

O objetivo foi refletir sobre as causas da ocupação do espaço escolar público primário por mulheres e suas ações enquanto sujeitos na Escola Normal em Belém. O expositor foi o Prof. Doutor Raimundo William Tavares Júnior, da rede estadual de ensino e da Universidade da Amazônia (Unama).

Segundo Raimundo William, o tema faz parte de uma tese que desenvolveu sobre a história do IEEP, quando ainda se chamava Escola Normal, entre 1890 e 1920. Ele resolveu fazer uma abordagem sobre a discussão de gênero, sobre as mulheres que frequentaram a escola nesse período, como elas interagiam entre si, com a instituição e com a cidade.

“Busco responder por que nessa época uma escola com quase 95% de mulheres tinha no seu corpo docente apenas duas professoras na Escola Normal e na direção da instituição, para uma atividade que era considerada predominantemente feminina, assim como também tento responder porque o Magistério, que até 1850 era uma profissão ocupada por homens, a partir deste período é tomada pelas mulheres no Ensino Primário”, frisou o professor Raimundo William.

A diretora da escola, Ana Paula Dias, disse que as comemorações duraram o dia inteiro e contaram com diversas ações, como declamação de poesias pelo professor e escritor Juraci Siqueira, oficinas de origami, cartum e desenhos animados e à tarde uma programação especial realizada em parceria com a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa) sobre a Nota Fiscal Cidadã, com demostração e teatro animado, para destacar a importância da conscientização e educação fiscal.

A gestora também destacou a importância do IEEP para a educação paraense e para a vida de muitas pessoas. “A escola tem muita importância para o estado do Pará, muitas autoridades já estudaram por aqui e hoje retornam, participam de eventos representando outras instituições, mas sabem que tudo começou aqui e recordam do período de estudante. O IEEP já passou por vários contextos históricos e sempre tenta se adaptar às mudanças sociais e fazer o melhor para atender os seus alunos”, afirmou Ana Paula.


Eliane Cardoso
Secretaria de Estado de Educação