R$ 6.387.700,00
Premiação Distribuída
274590
Fornecedores Incluídos
181428
Consumidores Cadastrados
63244
Bilhetes Premiados
29749733
Bilhetes Gerados

04/12/2015 | Empresas terão que se adequar a novo sistema de Nota Fiscal Eletrônica.

 

Iniciou ontem o prazo para que as empresas de médio porte do Pará façam as adaptações necessárias nos seus sistemas para emitir a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica. Em torno de 10 mil estabelecimentos terão que se regularizar, no período de um ano. As implantações do novo sistema começaram em agosto de 2014, com um projeto piloto que incluiu algumas empresas paraenses. Durante o lançamento do projeto, em fevereiro desse ano, a participação dos estabelecimentos foi ampliada. Porém, apenas no dia 1º de julho começou a obrigatoriedade.

 

As primeiras empresas que tiveram que se adequar foram as de grande porte, inclusive grande grupos varejistas, postos de combustíveis e farmácias. Ao todo, cerca de 600 firmas de grande porte que atendem o consumidor no Estado entraram nessa obrigatoriedade e em junho e devem se regularizar até o mesmo mês do próximo ano.

 

A segunda etapa de implantação da Nota Fiscal Eletrônica começou ontem, com as empresas de médio porte, que também terão prazo de 12 meses para começar a emitir o documento. “Ou seja não é motivo de desespero”, declarou José Guilherme Koury, coordenador do projeto paraense da Nota Fiscal Eletrônica, da Secretaria de Estado da Fazenda. Segundo ele, todas essas empresas, de ofício, já foram credenciadas para a emissão do documento. Em junho do próximo ano, começa o prazo de regularização das micro e pequenas empresas do Estado.

 

Koury afirma que o novo documento oferece inúmeras vantagens a todos os envolvidos. Para as empresas, por exemplo, possibilita redução dos custos com equipamentos, entre outros benefícios. Apesar de seguir o mesmo modelo das outras notas fiscais, para o Estado um dos grandes benefícios é que a informação é enviada automaticamente para a Sefa, assim que a venda é feita e a nota emitida.

 

Para o consumidor, o documento e, acima de tudo, a prova de que o negócio foi feito e aquele produto lhe pertence. Além disso, traz mais seguranças, possibilitando que o comprador que apresentou CPF encontre as notas fiscais emitidas em seu nome no site da Sefa. Ele também poderá concorrer a prêmios que variam de R$ 500 a R$ 20 mil, dentro do programa Nota Fiscal Cidadã.

 

Fonte: 02/12/2015 - O Liberal - PODER